Prefeito Gustavo busca equilíbrio financeiro para Cajobi



A gestão em grupo e coletiva, não é tarefa fácil. Talvez a maior dificuldade seja lidar com as queixas mais frequentes da população, de cunho coletivo e que se manifestam em diferentes expectativas. Tais diferenças podem ser discutidas e negociadas em favor de um projeto coletivo.

 

E administrar um município tem implicações legais e operacionais. Poderíamos fazer um longo texto falando das dificuldades e dos obstáculos enfrentado pela nossa administração, mas não o faremos, o que pretendemos é dar ciência de alguns fatos dos quais a população deve estar ciente.

 

Dentre as dificuldades, acreditamos que a dívida junto ao Banco Interunion seja a maior dentre elas, salientamos que esta dívida é referente a parte de um  precatório e parte de um processo de execução, cujo pagamento vem sendo discutido em juízo a mais de uma década.

 

 

O total da dívida era de R$ 3.673.824,20 (três milhões, seiscentos e setenta e três mil, oitocentos e vinte e quatro reais e vinte centavos), e ao iniciarmos a nova gestão, demos início a negociação para podermos saldar essa dívida, pois por imposição judicial, o pagamento da dívida é realizado através do desconto direto dos principais meios de arrecadação do município, o Fundo de Participação do Município (FPM) e do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

 

Foram quitadas as parcelas referentes ao ano de 2016 e 08 (oito) parcelas referentes a este ano, totalizando R$ 2.524.375,91(doismilhões, quinhentos e vinte e quatro mil, trezentos e setenta e cinco e noventa e um centavos), restando ainda R$ 1.149.448,29 (um milhão, cento e quarenta e nove mil, quatrocentos e quarenta e oito reais e vinte e nove centavos).

 

O Prefeito Gustavo Sebastião da Costa está negociando a dívida.

 

“Apesar da minha experiência como administrador público, buscar recursos, saldar as dívidas, principalmente a do Banco Interunion e ainda manter o salário dos funcionários em dia, está sendo o diferencial nesta minha administração. Mensalmente são descontados na fonte 20% da arrecadação do FPM e ICMS, ou seja, aproximadamente R$ 280.000,00 (duzentos e oitenta e oito mil reais), e a falta desse dinheiro, faz com que eu e os funcionário do administrativos nos dediquemos em dobro para fechar as contas do mês.Nosso desafio é constante, saldar todas as dívidas e obrigações financeiros do município e manter a transparência de nosso trabalho sabemos que é nossa obrigação, mas ofazemos por dever moral e ético”, afirmou o prefeito Gustavo.